Anônimo

Nas ruas desta cidade de gente apressada, me sinto um anônimo que vaga pelo mundo, sem rosto e sem importância. Talvez não tenha importância nem mesmo para os meus vizinhos, apesar disso, sinto que o mundo me pertence.

É estranho ter um mundo e ser anônimo, mas a força do meu pensamento, em segundos, me leva para os mais longínquos e estranhos lugares. Sinto o meu corpo viajar, a brisa fresca na fronte, e olhos curiosos me vigiando. Habito muitos lugares ao mesmo tempo, e não me recordo de nenhum. Às vezes tenho que me esforçar para lembrar o caminho de volta para casa.

Gosto do anonimato, mas a solidão me maltrata. Seriam os anônimos mais solitários? Acho que sim porque o anônimo é um egoísta, que quer não ser percebido. Estranho, mas o anonimato só me é bom quando estou em meio a multidões.

Hoje me sinto triste na solidão da minha gelada cama. A chuva não dá trégua lá fora; a unidade, a escuridão, os raios e trovões, afundam ainda mais a minha alma anônima e sem graça. Sou isso, um ser sem a menor graça, anônimo, invisível.

Parece que até a minha alma é anônima.

No ínterim entre a vida e a morte, vou escrevendo a minha história sem escolher as condições, testando os limites da minha consciência e a minha incorrigível crença de que a humanidade é generosa e solidária.

Vida efêmera, insignificante, incolor, que passa rápido e não deixa rastro; essa é a sina do anônimo! Se morrer hoje não teria ninguém chorando no meu funeral, tão pouco brigando pelos meus livros. Não tenho herança, nem uma palavra deixo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.