Aberrações

Peixes pastando em rios amarelos, profundos e corredios, em planetas recobertos de ferrugem. Anjos negros sentados em bancos de gelo, tocando canções fúnebres em gaitas rudes. Meninos recém-nascidos, velhos de alma, moribundos; choram famintos abandonados nos jardins dominados pelo verde musgo do desleixo. Mulheres vestidas de armadura, cujo elmo não permite mostrar esgares de medo … Continue lendo Aberrações

Aberrações

Peixes pastando em rios amarelos, profundos e corredios, em planetas recobertos de ferrugem. Anjos negros sentados em bancos de gelo, tocando canções fúnebres em gaitas rudes. Meninos recém-nascidos, velhos de alma, moribundos; choram famintos abandonados nos jardins dominados pelo verde musgo do desleixo. Mulheres vestidas de armadura, cujo elmo não permite mostrar esgares de medo … Continue lendo Aberrações

Como é bom ser criança

Somos energia, espírito, alma, luz. Uma luz que um dia se apaga, enquanto isso temos a obrigação de iluminar nossos caminhos com amor, e seguir nossas vidas com muita felicidade. Esta luz deve brilhar forte todos os dias de nossas vidas, pois além de iluminar nossas mentes, aquece também os nossos corações. Quando criança, somos … Continue lendo Como é bom ser criança

Foi-se junho e não vi nenhum balão

Já vai o tempo em que as festas juninas reuniam as pessoas para se divertirem em volta da fogueira, com direito a comilança, reza e muita alegria. O ritual era sempre o mesmo, começava com a novena que ao nono dia deveria terminar na casa da pessoa que ofereceria a festa junina que, em geral, … Continue lendo Foi-se junho e não vi nenhum balão

Pequena crônica sobre o Amor

O amor é redondo. Não dá para imaginar o amor quadrado, tem que ser redondo, circular, sem inicio e fim definido. O amor é liquido, mas também é sólido, e por vezes gasoso. Além de cardíaco, o amor é hormonal, linfático e cerebral, mas, sobretudo é energia que flui da alma. O amor não é … Continue lendo Pequena crônica sobre o Amor

Coisas que acredito

  Na felicidade Na força do Amor No propósito da vida Na igualdade do ser humano Na pureza das crianças No brilho dos olhos No amor incondicional de mãe Na capacidade do perdão No livre arbítrio Na paz entre os iguais de espírito Na simplicidade dos atos No poder dos sonhos No trabalho em equipe … Continue lendo Coisas que acredito

Fósmea Realidade

Me despi por completo, mas só pude me sentir nu após despir-me de minha vaidade, que foi caindo a medida que enxergava as imperfeições de minhas formas. Primeiro me vi horroroso, para depois aceitar que era humano, então, me senti nu, sujo, inseguro e titubeante. Na penumbra de minha alma, busquei apoio nas frágeis paredes … Continue lendo Fósmea Realidade